Contínuo palpite

Dê play na música. 
E continuava sendo dificil acordar com um sorriso no rosto, sem antes sonhar com aquele nostálgico amor, que continuava guardado nos sentimentos e em tantas lembranças. Portanto, após abrir os olhos já colocava os fones no ouvido e escutava algo agradável, tentando animar cada dia! 
Continuava sendo dificil não deixar uma lágrima escorrer quando sentia saudade, daquelas mais profundas, que parecem arrancar o coração e tampar as narinas evitando a respiração. Continuava doloroso ter de esconder o sorriso largo e os olhos brilhando só de ouvir alguém dizendo aquele tal nome, que ainda soava como se fosse a mais bela sinfonia. 
Continuava tentando todos os dias se impulsionar a re-viver a vida, mas não no sentido de relembrar, ou retomar costumes. Re-viver, de reconstruir, sonhar outra vez, aceitar sorrisos, beijos e abraços. Re-viver, não por carência, até porque não queria mais ninguém, mas porque era preciso sair da inércia-do-amor-nostálgico. Re-viver, de aprender a viver novamente, com um adereço no cabelo e um sorriso nos lábios, sem esperar a vida passar, mas ir passando junto da vida e de tantos que queriam seu bem.
Mas apesar de ter colado no quadro de seu quarto que era preciso tentar e oportunizar uma nova felicidade, ainda assim, a menina continuava sentindo o vazio que haviam deixado num tal órgão, responsável por bombear seu sangue para o restante do corpo, e que ainda tinha função de baú, onde guardava apenas seus tesouros, os mais preciosos. O tal amor vivido estava lá, naquele baú sem chaves.
Era difícil aceitar que viveu uma linda história de amor, que jamais sairá de seu coração. Mesmo que outro menino preenchesse o lugar vazio com sorrisos, carinho, abraços e flores. Definitivamente, vivemos apenas um amor na vida, e a moça já havia vivido. 
Mas o que lhe doía era não saber se havia sido tão importante para aquele a quem tanto dava importância. Doía não saber se ele ainda lembrava do beijo, dentro do coletivo, após ser chamado de 'Arroz'. Será que ele lembrava que um dia gostou de chamá-la de 'Menina da Borboleta'? Será que a história teria sido tão bonita pra ele quanto foi pra ela, apesar dos pesares? Doía não saber se para ele, ela foi um amor de verdade ou só mais uma aventura. Doía tanta coisa, e até a falta de coragem de olhá-lo nos olhos e sorrir.
Num dia qualquer saberia as respostas de suas indagações. Um palpite?! Ela também havia sido tão importante pra ele, quanto ele foi pra ela. Alguma certeza?! Nenhuma.

10 comentários:

  1. Nossa que perfeito esse texto, gostaria de pedir uma ajudinha se vc puder participar:
    estou abrindo um espaço diferente no meu blog, ele ajuda na publicação de textos (seus) e do blog. Não é um concurso, ou um sorteio é o CANTINHO DOS SONHOS, ao qual eu depositarei textos de outras pessoas, se tiver interesse em participar é só entrar aqui:
    http://asoonhadora.blogspot.com/2011/11/venha-participar.html
    Deus abençoe

    ResponderExcluir
  2. Eu de novo aqui, queria só pedir uma ajudinha sua se não for incomodo, como você coloca apenas essa barra de música?
    Já faz algum tempo que venho tentado mas não consigo, se puder me ajudar é só deixar um comentário lá no meu blog!
    Deus abençoe
    http://asoonhadora.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Olá, tudo bem?
    Adorei os textos do teu blog, por isso sigo-te.
    Se puder visite-me, serás bem-vinda
    Abraços
    c:

    ResponderExcluir
  4. Nem precisei dar play, aliais foi tamanha coincidência a musica já estava tocando umas 20 vezes aqui, ai comecei a ler as atualizações do blog e cliquei no seu para ler, e vc postou a musica para ouvir junto da leitura do texto, foi incrível, aliais que texto lindo *-*

    ResponderExcluir
  5. Essa combinação da música com o texto ficou excelente! Essa "inércia-do-amor-nostálgico" já me acompanhou por tanto tempo. E eu também boto fé no seu palpite de que ela fora tão importante pra ele, viu? Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Que lindo aqui *--*
    eu super adorei

    estou seguindo..
    retribui??

    beijos
    http://momentosdapathy.blogspot.com
    http://pathyoliver.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Olá, vim retribuir o carinho no meu blog. Aliás teu blog é muito lindinho, muito fofo mesmo. Bem parecido comigo, até os textos. Carolina esse teu texto meio que me definiu,eu também estou tentando reviver a algum tempo. O fim de um amor é extremamente dolorido, e a gente sempre acha que aceitar esse fim é impossível. Mas estou lutando contra mim mesma porque sabemos que dar a volta por cima é absolutamente necessário.

    Por isso flôr, erga a cabeça e bola pra frente. O que tiver que ser seu,um dia será.

    Seguindo já aqui. Beijoos ;**

    ResponderExcluir
  8. Ahh querida perdão, nem tinha vindo falar, deu certo sim, fiquei muito feliz. E obrigada ajudou muito, já fazia bastante tempo que queria testar isso.
    Deus abençoe
    http://asoonhadora.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Engraçado o modo como me sinto sendo essa menina. E as dores não querem passar, e a dúvida fica martelando na cabeça "foi bom pra ele também?"
    Estou a seguir seu blog, gostei muito. Quando puder, convido-te a visitar o meu tambem. Beijos.

    ResponderExcluir
  10. Oi querida, publiquei um texto seu lá no cantinho de sonhos, simplesmente perfeito, criei uma página só sua também.O texto está aqui:
    http://asoonhadora.blogspot.com/2011/11/olhar-em-seus-olhos.html
    E também queria agradecer pela sua participação,é uma honra ter você participando.E estou entregando um mimo para todos aqueles que participaram, este esta aqui:
    http://asoonhadora.blogspot.com/p/cantinho-de-sonhos.html
    Deus abençoe

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Textos com autoria de Carolina Rosseto. Se copiar, copia a autoria.
Layout base por Difluir e modificado por Isabella Ramos